terça-feira, maio 22, 2007


Cuando un amigo se va
queda un espacio vacío
que no lo puede llenar
la llegada de otro amigo.
Cuando un amigo se va
queda un tizón encendido
que no se puede apagar
ni con las aguas de un río.

Cuando un amigo se va
una estrella se ha perdido
la que ilumina el lugar
donde hay un niño dormido.

Cuando un amigo se va
se detienen los caminos
y se empieza a revelar
el duende manso del vino.

Cuando un amigo se va
queda un terreno baldío
que quiere el tiempo llenar
con las piedras del hastío.

Cuando un amigo se va
se queda un árbol caído
que ya no vuelve a brotar
porque el viento lo ha vencido.

Cuando un amigo se va
queda un espacio vacío
que no lo puede llenar
la llegada de otro amigo.


Alberto Cortez

6 comments:

Repórter disse...

Desculparás mas não conheço.
Também não posso saber tudo, n'é?

Dina disse...

Este poema é dedicado a um amigo que partiu...
A música e a letra são de Alberto Cortez e foi um grande sucesso em Espanha nos meus tempos de menina e moça.
Lembrei-me dele quando soube da partida deste amigo que trabalhou comigo durante muito tempo na rádio.

Franky disse...

Sinto muito a partida do teu amigo.
A canção é lindíssima! Recuerdos de ninã!
Um beijinho

Eskisito disse...

A sério, escreve lá outra coisa. Eu não sei o que dizer nestas situações, e começo a meter os pés pelas mãos.
Beijos

Lupor disse...

O Zé bem merece esta homenagem.

¬¬ disse...

É de chorar pela beleza da canção, pelo gogó e pela emoção que Alberto Cortez consegue transmitir...emocionante.

Blogues da Minha Filha

Seguidores

Arquivo do blogue