quarta-feira, abril 25, 2007
Vale a pena ler o texto que se segue. Mesmo que ele vos pareça muito grande.Não desistam...vão até ao fim!


Quero fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria. Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em "diálogo". O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam "praticamente" apaixonadas. Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço. Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do "tá tudo bem, tudo bem", tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo? O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso "dá lá um jeitinho sentimental". Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar.

O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não dá para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir. A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a vida inteira, o amor não.


Miguel Esteves Cardoso in Expresso

8 comments:

Repórter disse...

Quem escreve assim, não ama. Estuda o amor...

Xanu disse...

Por essa razão talvez saiba reconhecer que hoje em dia as pessoas deixaram de amar com paixão e espontaneidade...
Hoje somos demasiado calculistas e cautelosos até no amor e nisso o MEC tem toda a razão.

Nós, sim nós, não no sentido de tu e eu mas sim duma geração (a tua é um pouco anterior à minha :):) )dizia eu, nós vivíamos o amor duma forma diferente, penso que mais autêntica. Hoje até o amor é calculado. Claro que ainda há excepções graças a deus...

Franky disse...

Como estou de acordo contigo Repórter. Diria mais - " O amor não se estuda, nem se explica, ama-se simplesmente".
Mas… é bom ouvir dissertar sobre o Amor, assim como o fez o MEC. Como fazem os poetas deste e de todos os tempos. Já lá vai o tempo em que o amor se escrevia em cartas de amor, sem serem ridículas. Mesmo que o amor já nada nos diga, é bonito ler estas palavras. Como diz o autor a vida dura uma vida o amor não! Fica sempre uma saudade.

Franky disse...

Voltei só para dizer que a tua casa está mais bonita. É tão bom viver com vista para o mar. Parabéns

mary90 disse...

Boa noite, Xanu.
Bonito....o amor é sempre um bom tema.
É verdade que hoje em dia o amor é um contrato muitas das vezes com um prazo que que não é renovado!
Eu escrevi e recebi muitas cartas de amor quando o meu namorado estava na guerra,éra tão lindo ele escrevia poesias para mim e eu fazia quadras de amor.
Felizmente o nosso amor perdura já há 31 anos, e os olhos ainda faíscam quando se encontram.
Não fizemos contrato pré-nupcial porque casamos os dois sem nada de bens:)
Xanu o meu Renato pequenino já pesa 8,400 tem 6 meses e está liiindo.
Beijocas

Eskisito disse...

O amor. Não é um tema fácil. Mas, concordo com o MEC. Hoje amor é o mesmo sentimento que nós sentiamos ao partilhar um gelado com uma amiga.
Não se sofre por amor. Não se vive o amor. Isso é certo. Não é uma regra estanque, mas irrita-me também ver o amor a ser transformado em comida fast-food para a alma. Assim como tantas coisas nesta vida. Tudo acelera no tempo, até mesmo o amor.
Não sei se alguma destas coisas faz sentido, mas foi isto que saiu.
Bj

maria disse...

A mais genuína forma de Amor que testemunhei mais recentemente foi-me demonstrada por um pirralhinho de 6 anos. A Professora pediu-lhes que, utilizando as letras que já conhecem, escrevessem um texto sobre o que quisessem. O menino em questão escreveu um bilhetinho ilustrado com muitos corações e borboletas que dizia: " Eu amo a Ana muito". Fiquei derretida quando ele se levantou e foi entregar a carta à amada.
A seguir foi entregar um igual a outra menina da sala e ao seu melhor amigo...escangalhei-me a rir!
Eles é que a sabem toda.
Um abraço
(muito boa escolha do texto)

Para sempre, Maria disse...

O comment aqui de cima é da maria do costume. Enganei-me. É o efeito "feriado a meio da semana".

Blogues da Minha Filha

Seguidores

Arquivo do blogue