quarta-feira, fevereiro 20, 2008
Alentejo

(...) O Alentejo foi-se tornando um imenso país vencido, entregue a si próprio, silencioso e mágico.
Lembro primeiro a extensão, o ondular a perder de vista, os tons quentes, castanho e encarnado, dourado e ocre.
A imobilidade dos sobreiros e azinheiras, as formas retorcidas dos olivais, desenhadas a tinta-da-china no horizonte imenso, e a espantosa luz envolvente, naquele acordo secreto que a terra fez com o céu e que é parte da magia alentejana. Passado o primeiro choque surge o silêncio. Definitivo. Total. Criando um espaço próprio, primeiro vazio, asfixiante e assustador. A alma perde-se. Encontra-se e perde-se novamente na vertigem do encontro. Não fosse o dourado da luz e a eterna imobilidade dos montados, não fosse o cheiro a vida que sobe do restolho e a passividade serena das árvores e dos animais, a alma fugiria espavorida perante a imensidão da descoberta. Assim, aproxima-se lentamente, segura da permanência, num misto de medo e de confiança infantil. E espera...
Aos poucos surge a paz. Hesitante. Ficou tanta coisa para trás, tanta solicitação, tanta angústia, tanto medo!! A vida parece tão longe e a luta tão urgente! E se, enquanto nos entregamos ao silêncio neste "País de Fadas", o tempo continua a passar e nos trai, lá fora? E se, nesta imobilidade, nesta paisagem desenhada em traços largos e indefinidos, neste compromisso que a terra e o céu encontraram para criar todo este espaço e toda esta doçura, este cheiro a mel e alecrim, este vibrar de vida invisível e forte, nós nos vamos perder e ficar prisioneiros para sempre?
Mas entretanto a alma cresceu, ajustou-se aos contornos, habituou-se à grandeza. A paz instalou-se, o espírito compraz-se no silêncio, os olhos mergulham no horizonte longínquo e bebem a luz e a vastidão. A calma é doce, convidativa, acolhedora. Eterna. A alma sente-se bem.
E fica.
É assim o meu País. É assim o Alentejo.
Maria Faria Blanc

Foto do Nuno

9 comments:

Jonix disse...

Bonito texto. Tenho pena que o alentejo, tal como o interior de todo o nosso país, esteja a tornar-se num deserto.

Angelik disse...

Eu adoro o Alentejo!
Se pudesse ía para lá morar!

Sorrisos em Alta disse...

Há partes boas em o Alentejo ser um "deserto"
E eu ADORO aquele deserto

O Livreiro disse...

O alentejo é bonito, só é pena estar a ficar desertificado.

Jacinto César disse...

O Alentejo é sempre o Alentejo e como o outro dizia "é o Alentejo da minh'alma.."
Mas Cuba também é!
Para meter inveja e sem medos de objectos voadores aqui vai:
http://img87.imageshack.us/my.php?image=dsc01034ij7.jpg

Jacinto César

Pitanga disse...

O silêncio do Alentejo não é comum. Ele me abraça. Podes entender? É claro que podes.

beijos de saudades daquele céu mais que azul!

Dina disse...

Pitanga como eu te entendo!! Aliás qualquer alentejana(o) te entende na perfeição.
Jacinto César nós alentejanos mesmo quando estamos longe temos sempre o Alentejo dentro de nós...
Livreiro esse problema só se coloca devido aos (des)governos que temos tido.
Sorrisos...eu também mas sou alentejana e tu?
Angelik eu vivo no Ribatejo cheia de saudades do meu Alentejo, não há lugar melhor para se viver...se puderes não hesites.

Elvascidade disse...

O Alentejo é realmente único!

Sorrisos em Alta disse...

Que eu saiba... não!
LOL

Blogues da Minha Filha

Seguidores

Arquivo do blogue